Regulamento, Termos e Condições – CityHack 2021

1. Objetivo

O CityHack é um evento sob a forma de maratona, que visa o desenvolvimento de soluções tecnológicas para cidades. A edição de 2021 além de soluções correspondentes a desafios com impacto social, sustentabilidade e economia circular, enquadrados pelos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável preconizados pelas Nações Unidas, poderá também abordar outros desafios a definir pela organização.

2. Organização

O evento é organizado pelos Institutos Politécnicos de Tomar (IPT), Castelo Branco (IPCB), Guarda (IPG) e Portalegre (IPP).

3. Candidatura e elegibilidade

a) Podem candidatar-se equipas de 2 (dois) a 4 (quatro) elementos que sejam alunos de Universidades e Institutos Politécnicos.

b) Recomenda-se a constituição de equipas pluridisciplinares. No entanto, pelo menos, 50% dos elementos deverão ser oriundos de cursos tecnológicos.

c) As candidaturas serão efetuadas no website da TAIKAI, preenchendo o formulário aí disponibilizado.

d) Indivíduos que não se inscrevam em equipa serão apoiados na formação de uma equipa, ou integração numa existente, para a participação no evento. Não são, contudo, permitidas participações individuais.

4. Datas

O CityHack 2021 será desenvolvido em duas fases. Uma fase não presencial, onde as equipas irão desenvolver o seu trabalho, interagindo com os Mentores. Uma fase final onde, presencialmente, irão apresentar o seu trabalho ao Júri.

a) apresentação dos desafios: 26 de abril

b) apresentação dos projetos ao Júri: 28 de maio

5. Instalação e infraestruturas

a) A fase presencial do CityHack será efetuada nas instalações a definir pelo IPT. Eventualmente, poderá haver sessões online.

b) A componente presencial do CityHack decorrerá no dia 28 de maio de 2021.

c) Os participantes devem providenciar os equipamentos de índole tecnológica, bem como o software, que julguem necessários ao desenvolvimento das ideias a concurso (ex.: computador portáteis, IDE de desenvolvimento, etc.).

d) As equipas terão acompanhamento de Mentores especialistas nos temas correspondentes aos desafios propostos.

6. Júri

a) O Júri será constituído por personalidades a indicar pela organização.

b) O Júri poderá ter assessoria técnica por parte dos Mentores e por parte de docentes dos institutos politécnicos organizadores.

7. Prémios

Serão atribuídos prémios às melhores equipas, nos seguintes montantes:

1.º prémio – 750,00 Euros

2.º prémio – 500,00 Euros

3.º prémio – 250,00 Euros

prémio extra de parceiros

8. Avaliação e Critérios

a) A avaliação dos trabalhos será efetuada numa única etapa: apresentação final ao Júri.

b) Com base nas apresentações e, eventualmente, na visualização dos protótipos desenvolvidos, o Júri avaliará o trabalho das equipas, atribuindo os prémios.

c) Os critérios a utilizar serão os seguintes:

1. Inovação – a ideia é única e apresenta uma solução nova?

2. Impacto do negócio – há potencial para gerar valor adicional ao negócio ou atrair fundos filantrópicos?

3. Ligação aos temas – a solução enquadra-se num dos temas propostos?

4. "User experience" – a ideia fornece experiências sugestivas e relevantes para os potenciais utilizadores?

5. Demonstração técnica (maturidade) – a ideia é tecnicamente viável e escalável, com um protótipo a funcionar com qualidade técnica?

6. Escalabilidade – a ideia tem potencial de servir um mercado abrangente/ internacional, ou é muito local?

d) Existindo prémios extra, a sua atribuição será da exclusiva competência da entidade ofertante.

9. Termos de participação

Os participantes concordam com as seguintes condições para a candidatura e participação nesta iniciativa:

a) As ideias a concurso não devem conter quaisquer conteúdos pornográficos ou referências sexuais explícitas ou sugestivas, violentas ou depreciativas para qualquer grupo ético, racial, religioso, profissional, género ou de idade.

b) As ideias a concurso não podem promover drogas, armas de fogo (ou o uso de qualquer uma das anteriores), ou qualquer outra atividade que possa apresentar mensagens inseguras, perigosas ou políticas.

c) As ideias a concurso não podem ser obscenas ou ofensivas, ou apoiar qualquer forma de ódio individual ou de grupo, ou comentários depreciativos sobre a organização, os seus produtos ou serviços, ou de outras pessoas, produtos ou empresas.

d) As ideias a concurso não podem conter materiais protegidos por direitos de autor ou propriedade de terceiros (incluindo fotografias, esculturas, pinturas e outras obras de arte ou imagens publicadas em sites ou na televisão, filmes ou outras médias).

e) As ideias a concurso não podem conter nomes, imagens, fotografias ou outros indícios de identificação de qualquer pessoa, viva ou morta, sem autorização explícita das mesmas ou dos seus representantes.

f) As ideias a concurso devem ser originais, não tendo sido anteriormente publicadas comercialmente ou licenciadas, ou premiadas em iniciativas de carácter semelhante ao CityHack. Se forem continuação de trabalho anteriormente desenvolvido, devem, com clareza, informar qual a componente a concurso.

g) Os participantes declaram e garantem ainda que a publicação da participação através de vários meios, incluindo a publicação na Internet/online não infringe os direitos de terceiros.

h) A organização se tiver motivos para suspeitar de conduta desleal, enganosa ou fraudulenta por parte de qualquer participante ou terceiros, seja de que natureza for, reserva-se ao direito de desqualificar quem considere, com carácter de razoabilidade, ser responsável ou estar associado a esse comportamento inadequado.

i) A organização reserva-se o direito de alterar ou cancelar o evento a qualquer momento, mediante envio de notificação para os candidatos que já se tenham inscrito.

j) Para o pagamento dos prémios, a organização solicitará aos participantes das equipas vencedoras os documentos necessários para a confirmação das condições de participação, sem os quais as equipas poderão ser desqualificadas.

10. Propriedade das Ideias

Todas as soluções em competição, desenvolvidas e apresentadas no âmbito deste evento, são propriedade dos respetivos autores, no cumprimento do estabelecido legalmente relativamente a direitos de autor.

11. Dúvidas ou sugestões

a) Para resposta a quaisquer questões ou para esclarecimento de dúvidas, os participantes deverão primeiramente consultar a informação disponível no website.

b) Para obter qualquer informação adicional, apresentação de sugestões ou reclamações, os participantes, ou qualquer interessado, deverão entrar em contacto com a organização através dos contactos disponibilizados para o efeito no website http://www.cityhack.pt

12. Resolução de reclamações/litígios

A organização do CityHack é soberana na resolução de qualquer reclamação, ou litígio, não sendo possível apelo das suas resoluções.

CityHack 2021

26 de abril a 28 de maio de 2021

Os Institutos Politécnicos de Castelo Branco, Guarda, Portalegre e Tomar, com o apoio da Fundação Calouste Gulbenkian anunciam a 5ª edição do Projeto CityHack* – Isto é Transição Digital.

O CityHack é um evento sob a forma de maratona que visa o desenvolvimento de soluções tecnológicas para cidades. O evento é superiormente apoiado pela Fundação Calouste Gulbenkian no âmbito do projeto Hack for Good inserido no programa Gulbenkian de Coesão e Integração Social.

Podem candidatar-se equipas de 2 a 4 elementos, que sejam alunos de Universidades e Institutos Politécnicos, em que pelo menos 50% sejam oriundos de áreas tecnológicas.Recomenda-se, contudo, que as equipas sejam pluridisciplinares.

Este projeto visa incentivar os participantes a apresentar soluções tecnológicas para a melhoria da qualidade de vida nas cidades, reconhecendo, valorizando e retendo talentos, também tendo como objetivo criar condições para a concretização das ideias geradas.

Não há qualquer custo de inscrição e toda a logística nas 24 horas estará a cargo da organização.

Este ano os desafios propostos estão fundamentados nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

* O CityHack é uma marca registada pelo Instituto Politécnico de Tomar no Instituto Nacional da Propriedade Industrial, nº 588134 em 13/12/2017

Prémios

Segundo Lugar - 500€ 500€ 2º Prémio
Primeiro Lugar - 750€ 750€ 1º Prémio
Terceiro Lugar - 250€ 250€ 3º Prémio

E ainda...

Kits de participação para todos os participantes

Desafios

Os principais desafios da humanidade são o combate à desigualdade, à pobreza e à fome e a democratização do acesso à energia, do trabalho, da educação e da saúde. Utilizar todo o conhecimento disponível e a tecnologia para transformar a sociedade é uma obrigação de todos.

Estamos conscientes que a tecnologia só por si não resolve os problemas, no entanto estamos convictos da importância do vosso contributo. Nesta edição do CityHack vão ser apresentados desafios atuais e com os quais todos estamos familiarizados. São desafios complexos que envolvem conhecimento de áreas muito diversas. Assim para além da necessidade de trabalho em equipa, é também necessária diversidade. Razão pelas quais os concorrentes se devem organizar em equipas onde a diversidade é encorajada.

Depois de escolherem um desafio, sugerimos que contactem um dos mentores sugeridos para vos aconselharem sobre o tema.



1
Utilização racional da água

A água é um recurso vital para os ecossistemas e fundamental para o desenvolvimento socioeconómico das sociedades, uma vez que é necessária para garantir a saúde, a higiene e o bem estar da população, e também para a produção de alimentos e de energia. A escassez deste recurso é um dos grandes desafios da atualidade e tende a agravar-se, em parte devido ao aumento do consumo para fins domésticos, agrícolas e industriais e em parte devido às alterações climáticas, pelo que a agenda 2030 da ONU para o Desenvolvimento Sustentável inclui o ODS 6: Garantir a disponibilidade e a gestão sustentável da água potável e do saneamento para todos. Existe por isso a necessidade de equilibrar o consumo da água relativamente aos recursos hídricos disponíveis, implementar medidas de eficiência hídrica e incentivar a sua reutilização. A solução para este problema é muito complexa, no entanto acreditamos que os meios tecnológicos podem numa primeira fase ajudar a conhecer o problema e numa fase posterior auxiliar na tomada de decisões.

Desafio: Sensibilizar e promover a mudança de hábitos e a procura de novas soluções que promovam o uso racional da água.

Mentores: Dina Mateus (dinamateus@ipt.pt) + Henrique Pinho (hpinho@ipt.pt)

Desafios ODS:

2
Deteção de focos de poluição em cursos de água

A poluição da água tem um impacto muito negativo nos ecossistemas e na qualidade de vida dos habitantes e, por conseguinte, a deteção de fontes emissoras de poluentes em cursos de água é uma necessidade urgente. Esta tarefa é muito complexa. Por um lado, a área a monitorizar é normalmente grande e, por outro, as fontes de poluição podem ser muito diversas e em grande número .

Desafio: Solução de monitorização que permita a deteção de focos de poluição em diversos pontos tendo em atenção o custo de instalação e de operação e a disponibilização, sem custos, da informação recolhida.

Mentores: Luís Santos (lsantos@ipt.pt) + Manuel Barros (fmbarros@ipt.pt) + Manuel Rosa (manuel.rosa@ipt.pt) + Pedro Granchinho (granchinho@ipt.pt)

Desafios ODS:

3
Qualidade do ar

A exposição a partículas finas em suspensão no ar causou cerca de 417 000 mortes prematuras em 41 países europeus em 2018 [1]. Cerca de 379 000 dessas mortes ocorreram na UE-28, tendo 54 000 mortes prematuras sido atribuídas ao dióxido de azoto (NO2) e 19 000 ao ozono troposférico (O3). Apesar do número de mortes ter diminuído em cerca de 60 000 em 2018, é necessário conhecer melhor a qualidade do ar.

São vários os locais onde a qualidade do ar é medida, no entanto as soluções atuais não permitem alargar esta monitorização a um grande número de locais e disponibilizar os resultados à população em geral.
[1] (https://www.eea.europa.eu/pt/highlights/melhoria-acentuada-da-qualidade-do)

Desafio: Solução de monitorização que permita avaliação da qualidade do ar em diversos pontos tendo em atenção o custo de instalação e de operação e a disponibilização, sem custos, da informação recolhida.

Mentores: Manuel Barros (fmbarros@ipt.pt) + Rui Gonçalves (rui.goncalves@ipt.pt)

Desafios ODS:

4
Ruído

A exposição ao ruído é prejudicial para a saúde e o bem-estar, sendo a perda de audição e o aumento dos níveis de stress os efeitos mais conhecidos, por serem os mais imediatos. As medidas que levam à eliminação ou redução do ruído excessivo são por isso cada vez mais importantes. As fontes de ruído são muito diversas e muito dinâmicas, sendo por isso difícil identificar as melhores soluções para o reduzir ou eliminar. Assim, numa primeira fase, é necessário medir os níveis de ruído recorrendo a soluções de baixo custo e disponibilizar aos cidadãos em geral e aos decisores políticos a informação recolhida.

Desafio: Solução de monitorização que permita medir o nível de ruído em diversos pontos, tendo em atenção o custo de instalação e de operação e a disponibilização, sem custos, da informação recolhida.

Mentores: Carlos Ferreira (cferreira@ipt.pt) + Rui Gonçalves (rui.goncalves@ipt.pt)

Desafios ODS:

5
Portal para atrair talentos para a região do médio-tejo

Atrair e fixar novas empresas para o território do Médio Tejo é fundamental para aumentar a competitividade da região e a qualidade de vida dos seus habitantes. A existência de mão de obra qualificada é um dos critérios para a fixação e manutenção de empresas. É necessário dar a conhecer às empresas qual a mão de obra disponível e atrair para a região a mão de obra que não existe. Assim, é necessário articular três vetores: informação acerca da mão de obra disponível; oportunidades de emprego; e, promoção da região (cultura, educação, monumentos, eventos, etc.) na perspetiva de fixação de novos habitantes.

Desafio: Solução que agregue a informação acerca da mão de obra disponível, as necessidades das empresas e que promova a fixação de empresas e de pessoas na região.

Mentores: Vadims Zinatulins (Vadims.Zinatulins@PT.softinsa.com)

Desafios ODS:

6
e-Tutor: integração e ação contigo

Chegaste ao Ensino Superior. Estás perante uma nova realidade. Vais viver muitas mudanças na tua forma de vida. As dúvidas surgem, é normal, vão continuar a surgir. Mas teres com quem as partilhar vai certamente ajudar-te.

Dá tempo para te adaptares e te integrares, faz o teu caminho. Há colegas que estão dispostos a integrar a tua tribo. Rodeia-te das pessoas certas para te acompanharem.

Desafio: Solução para gerir a transição para o ensino superior com o apoio dos e-Tutor

Mentores: Rita Anastácio (rfanastacio@ipt.pt) + Susana Domingos (susana.domingos@ipt.pt)

Desafios ODS:

7
propostas das equipas participantes

Os desafios não se esgotam nas propostas aqui apresentadas. As equipas que o desejem podem propor um projeto numa outra área, desde que enquadrado nos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. A organização, na medida do possível, providenciará um, ou mais, mentores nessa área, para ajudar a equipa proponente.

Mentores: por favor, contactem a organização (geral@cityhack.pt) para vos ajudarem com a escolha de um, ou mais, mentores.

Desafios ODS:

Agenda do Evento

Os horários presentes podem ser alterados caso exista alguma necessidade de ajuste.

  • Boas-vindas
  • Apresentação dos Desafios
  • Fim do Hackathon
  • Votação do Júri
  • Anúncio dos Vencedores

Contactos

geral@cityhack.pt

Para assuntos relacionados com o evento.

inscricoes@cityhack.pt

Para assuntos relacionados com as inscrições.

 
Este ano as inscrições serão efetuadas através da plataforma da Taikai.

Apoio

Parceiros

Organização